quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

LENÇÓIS DE CETIM




Em nossa cama deitamos
Imaginação feita louca
Dois corpos colados
Numa noite sem ter fim.
Cobria-nos lençóis de cetim
Por onde deslizava uma paixão
Ondulando na fantasia
De mãos sôfregas
E um desejo no sentir.
Beijos calavam gemidos
De dedos nas descobertas
Em sensações plenas de ardor.
Pensamentos paravam
Para um mundo real…
Lençóis deixavam a descoberto
Uma entrega contida
Desejos incontroláveis
De “saciar” fomes do corpo e do coração
Num frenesim estonteante…

Não são apenas dizeres
É o nosso puro sentir….

Sem comentários:

Enviar um comentário

RASAS E ESPINHOS