sábado, 28 de janeiro de 2012

(...)


(…)

…”Elevo oásis de pensamentos
No sol cor de púrpura
Que aquece minha alma e corpo
Na sede do desejo de ti”…

BEIJO DOCE




Pensamento voando

Nas promessas mudas
Numa garganta seca
Abafada de saudade

Distancia
Na partida,
Deixando corpos nus

Do presente e do passado
Num futuro de desejos


Mas porque tanta tristeza
Se uma recordação perfeita
Faz rolar gotas de lágrimas
Caindo
Num silêncio
Amargo e doce

Fica a mágoa

Querendo negar à lembrança
Do beijo dado à partida
Com o calor do abraço
Falando pela alma despida

Como padeço de tal beijo
Pois assim não mereço
Com sabor doce e mel
Ardendo na minha ideia
Da tristeza na partida…

VOLTA



Vem para junto de mim
Quero enroscar em ti
Passear meus dedos
Pela tua pele macia
Sentir-te em meus braços

Olhar em teus olhos
Teu beijo suave nas minhas mãos
Um arrepio
De te ter junto a mim

Ah, como me tocas
De mansinho
Dizendo palavras doces
Ao ouvido
Que me faz sentir
A mulher mais amada
Entre todas as mulheres

Minha paixão,
Dancemos
A nossa música do amor
E do desejo
Desde a noite
Até amanhecer
Para não sentirmos
A dor da saudade
À partida

Fiquemos em silêncio
Com um aceno
Até meu olhar não te ver mais...

COMO NOS QUEREMOS




Gostaria de ver teu rosto,
Para vê-lo sorrir

Ao sentir meus toques de amor…
Sentir as minhas mãos
Percorrendo o teu corpo,
Descobrindo o teu prazer

Ao sentir nossa boca quente
Consumir-nos
Querendo teus caminhos percorrer
Com minha língua por ele deslizar

Desvendando, sentindo cada sabor do amor,
Cada toque do nosso prazer
A loucura de ter…
Nós…sós…
Em gemidos encontrados
Com sussurros de amor, de tesão,
Demonstrando a vontade incontida

Um louco querer de possuir
Com uma ânsia de enlouquecer
Para finalizar num acto mais sublime
Mais que lindo de possuir

Loucos, enlouquecidos
Num prazer
Sedução
Amor
Assim gostaria de nos termos
Paixão …

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

PALAVRA SAUDADE



Ah saudade
Palavra pequena
Mas que enche o coração
Que flagelas a alma
Golpes profundos, doridos

Essa palavra saudade
Cala fundo
De mansinho
Em nós tristes apertados
Que abafam “ais” sofridos

Essa palavra saudade
Voa no mar da distância
Num sopro em desalinho
Vem sussurrar baixinho

Essa palavra saudade
Cor de fogo com que arde
E de longe trás um beijo
Deixando cair uma lágrima
De um olhar triste e distante

Essa palavra SAUDADE…

OLHAR FIXO/SENTENÇAS OCAS




Num observar fixo
Não murmuro
Só sei que resisto
Sem promessas
Nem por mim ditas

Observo
O que ninguém vê
Calo em silêncio
Engolindo o desígnio
Nuns lábios fechados
Reservados
Sentenças mudas
Vãs, ocas

Sensação
Além de contemplar
Desejo
Com intenção reservada
Porém analiso
O que nada tem para ser

Lágrimas?
Não acusem de não as ter
Das entranhas do ser
Foi sentimento levado
Por vento que já não volta

MENINA/MULHER



Dia triste sombrio
Sem o sol que me aquece
Fazendo reviver lembranças
Que tiradas de um baú
Há muito esquecido
Enquanto apoiada numa árvore
Admirava nuvens que levemente passavam

Recostada fecho os olhos
Começando fazer a película a girar
Com uma menina risonha feliz
Crescendo na alegria da mocidade
De amigos e amores primeiros
Colocando seu pobre coração a vibrar

Nas palavras caladas
Escondeu seus desejos e queres
Fazendo da caneta e papel seu desabafo
Sonhando de olhos abertos seus anseios
Guardados na alma sem despertar

De súbito, vê-se arrancada aos amigos
E sentindo-se perdida
Em sítios e gentes que nada lhe dizem
Relembra as folhas mal escritas
Para voltar a rabiscar suas dores e lágrimas escondidas

A mulher/menina cresceu
Fazendo-a provar as escarpas da Vida
Escondendo e apenas escrevendo
E chorando os amigos perdidos

Foi longo o caminho
Os anos passaram
Pouco a pouco na alegria imensa
Voltou a descobrir amigos
Perdidos no tempo e na distância
Outros desaparecidos no sempre

Menina/Mulher chora a separação
Pois sua alma parou no tempo
Que descalça sorria para o Mundo
Mas tristemente
O mundo deixou de brilhar para ela

Oh, que arrepio senti
Pela doce e suave brisa que passou

Abri os olhos e reparei
Que a tarde chegava ao fim
Recordando a Menina/Mulher
Apoiada num ramo de uma árvore

LOBA MULHER




No silêncio da noite
Transformo-me
Na mulher que traz em si
Uma loba em cio
Uivando bem alto
À procura do seu macho

Com loucura
De mansinho
Vibra em mim
Como te quero

Em todo o meu ensejo
Rasgando toda tua pele
Para te ter por inteiro
Indo até aos confins
De ti próprio
Onde só tu te conheces
E não mostras

Vou dar uivos
Enlouquecidos
Vindo das entranhas
Quando a insanidade
De mim
Tomar conta de ti

O teu uivo será mais forte
Demasiado incontido
E em uníssono
Se ouvirá apenas um

A fêmea
Loba-mulher…

NEGRO...




De negro me vesti
À tua espera
Sem espera
De saudades
Pela presença

Sinto frio
Do abraço
Desejado
De vãs quimeras
Alheado

Solidão
Tenho por companhia
Nas noites gélidas
De um Outono
Próximo
E negro

Olho à volta
E nada sinto
Sentimentos esvaindo
Negros
Como as roupas que trago

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

FIM DE LUTA




Combates
Lutas
Provando o sabor da espada
Numa alma sangrando
De angústias sem lágrimas
Em rios secos de emoções

Disputas em fortes atalhos
Sem nunca baixar cabeça
Mostrando em próprio ego
A força das palavras sentidas
Em emoções contidas

Guerreira
Teu combate terminou
Cruza tuas mãos sangrentas
Das vísceras do inimigo
E dá cânticos de vitória
Celebrando com néctar de Baco
Em tua honra…

ABRAÇO FRIO|MENTES ERRANTES




Cabelo solto
Uma porta entreaberta
Deixando o vento passar
Os pensamentos correrem
Ficando sentada

Olhando
Sem nada ver

Querendo
Sem nada ter
Um abraço vazio
Estreitado num corpo

Mentes errantes
Delirantes
Que ousam invadir um futuro
Omitindo e tolhendo o presente
De um sombrio e doloroso passado

Ide falar de vossas próprias palavras
Pela penumbra de vozes caladas

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

LÁBIOS MEUS




Lábios meus
Carnudos
Que dissimuladamente, queres

De fogo
Num beijo ameno
Meigo e quente

Que percorrem
Teu corpo ardente
De pele macia

Onde tua mão
Acaricia suave
Sem nada pedir

Que sugam
Teu mel
Por ti desejado

Onde se ouve sussurros
E desliza ardente
Num beijo carente

Que pretendem de ti
Detalhes simples
Em palavras caladas

Sensuais
Que te dão agrado
Onde pões teu olhar


De mistério
Ousados
Em fogo

Mas lábios meus
Naturais…

OBRIGADA !!!!



NÚMERO TOTAL DE VISUALIZAÇÕES DE PÁGINA
17.000.....DESDE MAIO / 2011

PIANO QUEIMADO




Queimam labaredas
O meu piano
Desprendem-se teclas
Sem sair sons

Fogo aceso
Incinera música
Muda
Que não toco

Acordes fortes
Confundem-se
Em pianíssimo
Numa cadência acelerada
De todo fervor

Já não consigo ouvir
Melodias de antigamente
Dispersas pelo fumo negro
Levadas de um piano carbonizado
Inerte

Apenas se ouve
O estalar do fogo
Em notas distorcidas
De sustenidos com bemóis
Uma valsa
Um tango
Uma mazurca
Tudo se perdeu num piano que ardeu….

EXPLOSÃO D'AMOR




Lábios colados,
Na voragem do amor,
corpos colados despertando emoções

é o amor,
Com muito calor
acendendo corações.

É amor...
ternura...
Carinho.

É a explosão do amor,
Desejo
Paixão
que vem chegando devagarinho
e termina numa grande explosão

Sente-se chegar ao alto
beijo que causa sobressalto
corpos que não se separam

Mãos que sem cessar se tocam
carinhos constantes...
Amor sem fim
até o prazer explodir, e enfim
os corpos cansados,
Suados
ficam quietos...
Largados.
Permanecem abraçados…
Apaixonados..

ABRAÇOS NUS




Vem de mansinho
Num abraço
Com teus braços
Num calor de amor
Beija-me até ser manhã

Dois corpos colados
Semi-nus encostados
Ondas de prazer enviadas
Onde as palavras não contam

Sentimentos à deriva
Onde a alma profunda fala
Na distância do ardor
Do enlace desejado
Querido e amado

Sonhos do sentir na pele
Carícias apetecidas
Como brisa doce passando
Por incógnitos trilhos
No deleite do achado

Oh luz fogo querido
Estreita teus ramos com intento
De arder no peito a chama
Nos braços de uma fogueira
Que aquece e derrama corações…

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

MOMENTOS




Pelos trilhos do tempo
Com ponteiros parados
Em rumos sem fim
Cheios de nada
Vazios de tudo

Vagueio na direcção do vento
Trazido pelos ramos despidos
Em folhas de uma vida num segundo
Voando na bússola do relógio
Em passos nos minutos acelerados

Gritos sem ecos
Braços num abraço sem fim
Linhas paralelas que nunca se cruzam
Mas um único horizonte
Na hora exacta…

AGRADECIMENTO



Meus pensamentos se estendem
Em ventos nas nuvens alvas
Semeando perfumadas pétalas
Em todo os lugares do Mundo
Para de forma singela
Agradecer em geral

Queria poder todos abraçar
Um a um sem distinção
E ter junto ao coração
Para vos demonstrar
A minha gratidão

Foi um dia de festa
Passado com TANTOS AMIGOS
Tocou-me bem fundo, acreditem
O calor de todos vós….

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

MEU SONHO SONHADO





Vou cerrando os olhos
Calmamente
Para não acordar
De meus delírios
Fictícios

São como contas
Suplício que trago em mim
Arrebatando
Meu alento

Sofro que estas em mim
Abrangendo
Planeando
Tocar meus lábios fechados

Quase que acerco sentir
Esse desejo
Tão ténue
Mansamente
Querido

Mas é apenas uma ilusão
Autêntico nada subsiste…

PARA LÁ DO MAR




Olho o mar
Pensativa
Calma que ele me traz
Estará para além do horizonte
Que tanto me atrai o mar

Saudades da minha terra
Que um dia deixei

Meu coração
Então ficou
Junto ao cheiro da terra molhada
Ainda sinto trazido pelo vento
De tão longe paragens

É bálsamo para minha alma
Ferida pela distância

Dá-me tal nostalgia
Lembrar dias que vivi
Gostaria voltar a ver
Nas minhas mãos ter
Por entre os dedos escorrer
Pó e terra
Que me viu nascer

Para matar esta saudade
Prometi junto ao mar
Mesmo que fosse velhinha
Havia de lá voltar …

UMA ROSA




Quero dar uma rosa
que não tenha espinhos
que não magoe
com seu perfume suave

Quero dar uma rosa
por minha mão estendida
mão vazia
mão de amor

Quero dar uma rosa
vinda de minh'alma
de peito aberto
e de olhos nos olhos

Quero dar uma rosa
simples e singela
assim como eu
que me entrego e me dou

Quero dar uma rosa
através d'um computador
a quem me quer e não quer
mas mesmo assim eu dou

Quero dar uma rosa
a ti, a vos, a todos
porque simplesmente

Quero dar uma rosa...

domingo, 22 de janeiro de 2012

ESCREVIA




Sentada
à secretária
escrevia para ti, meu doce

Senti um arrepio
como de uma mão
em meu ombro,
um afagar nos cabelos

Por minha janela
entrou uma leve brisa
mas um calor
colou-se às minhas costas

Oh, eras tu
estavas comigo, sorrindo

Inclinaste para a frente
e segurando no meu rosto
deste-me um beijo
estreitaste-me em teus braços
e em silêncio
um longo abraço

Mas porquê a escrita
se tu estavas comigo

Vem, minha paixão
o momento é de nós dois
quero-te em mim
como tu me desejas

Escrever
eu escrevo-te
depois...

MULHER DE FOGO



Ardente
Vibrante
És tu
Mulher

Doce
Meiga
Sou eu
Mulher

Fogosa
Atraente
Somos nos
Mulheres

De corpo esbelto
Pernas torneadas
És tu
Mulher

Olhar de mistério
Boca cativante
Sou eu
Mulher

Cintura delgada
Chamando à atenção
Somos nós
Mulheres

Decote profundo
Perfume suave
És tu
Mulher

Sensual
Apesar da idade
Sou eu
Mulher

Amadas
Amantes
Somos nós
Mulheres em fogo…

MÃE PRETA ÁFRICA




Teu olhar
perdido no horizonte
de onde viste
partir filhos teus...

Gritaste...
Choraste
lágrimas de sangue
numa revolta incontida..

A tua cubata
ficou vazia
e na sanzala
dançam ritmos
de dor...

As rugas do teu rosto
cravam
a tristeza
o teu olhar
é vazio...

Mãe preta África..
perdeste a ideia
de quantos filhos
e há quantos anos
te levaram,

mas põe os panos
mais bonitos
as missangas mais coloridas
porque um dia.....
eles vão voltar!!!

AMOR AO PÔR DO SOL





O sol se põe
Cores quentes
Doces e amantes...

A praia é nossa...
Molhamos os pés na água
Dá um arrepio...

Fujo...
Mas uma onda molha meu corpo
Roupa,
Deixando ver toda a sensualidade
Para rolarmos, como crianças,
Na areia molhada da praia...

Um beijo quente
Longo entre carícias
Nos nossos corpos
Enlouquecem
Fazem-nos querer
Mais, mais e mais...

O sol...
Mar...
São nossos cúmplices
Deste amor tão querido, apetecido
Beijos roubados
Beijos loucos
Onde nossas línguas
Se entrelaçam
Com sofreguidão...

Tuas mãos
Percorrem meu corpo
Por caminhos ainda escondidos
Na roupa molhada...

As minhas…
Suavemente
Vão de encontro
Às tuas...

E sem falar...
Queremos mais...
nossos olhos pedem por nós
Enquanto rolamos
na areia molhada...

Já não existe sol...
mar...
Mas dois corpos unidos
Num amor total!

PAIXÃO




Paixão, sentimento confuso,
Obsessiva afeição intensa.

Doença, que se levada ao último grau,
Se assenhora, prende, retêm,
Na maior das teias.

Como se uma aranha fosse
Ao capturar a sua indefesa presa,
Para depois, lentamente, a devorar.

És algo do nosso irracional
Apoderando-se do emocional
Qualquer que seja a pessoa,
Cruel, nada te escapa.

Pois sois a primeira etapa
Deste sentimento impetuoso
Que busca e aprisiona almas.
Tu, paixão, que nem sequer te importas
Que seja para o bem ou para o mal
Sabes que és o gostar exagerado
Dos que pensam estar a amar
E na realidade são obcecados.

Aqueles que buscam desesperados
Um alguém a quem possam
Dar vazão
A tão violento sentimento.

Paixão, na realidade é o ciúme
Reprimido, escondido,
Na parte nociva do coração!

PALAVRAS




Soltam-se as palavras
Numa distância

Soltam-se olhares
Numa imaginação
Onde o vento
Baila música suave
O céu pintado
De tons quentes
Suavizando com nuvens doces

Mãos que tocam
Mas que só encontram
Vazio...

Corpos que se querem unir
Em desejos
Sonhos
Como real fosse
De uma praia
Numa ilha desconhecida
Onde nada se esvai

A realidade
É presente em desejo
O querer tem força

Ilha do amor
Palavras escritas na areia
Que não são levadas p'lo mar
Na imaginação, de quem ama
De quem quer, de quem deseja...