sexta-feira, 22 de março de 2013

DISTÂNCIA DISSIPADA




O relógio parou
No tempo do calor d’um abraço
Em que gotas da chuva
Se fundiam nas lágrimas
Dos beijos com sabor a sal

Minutos, segundos,
Esquecidos
Em roupas inundadas de ardor
De corpos no enlevo
Pois demorava em acontecer

Oh tempo,
Quiseras tu omitir a distância dissipada
Num momento louco de paixão,
Em que as horas, consumidas em silêncio
De quimeras nos olhares
E realidades em beijos…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

PRAIA DA SERENIDADE