terça-feira, 26 de março de 2013

SOMBRAS DE MIM




Calo em sombras que me perseguem,
Como águas mansas
Em leito profundo,
Querendo voar e gritar

Mas minha voz,
Embargada nas lágrimas contidas
Silencia meus dias de angústia
Em asas que não voam

Tenho a solidão por companhia,
Porém se me abraço
Sinto frio

Quantas perguntas sem respostas
E soluções que não desejo
Consentindo que os dias passem
Ou que eu me entranhe neles

Como sinto a ânsia dum clamor
No ardor das lágrimas largadas ao vento
Mesmo que no silêncio da noite…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC
Publicado no Blog e no Jornal On Line Jornal O Rebate de Macaé -RJ

Sem comentários:

Enviar um comentário