quarta-feira, 27 de março de 2013

ENIGMA




Existe um mistério no teu corpo
Que é feito de desejo e mel
Sabe a fantasias quebradas
E sonhadas diariamente em vão.

Existe um feitiço no teu olhar
Que prende as sombras mais fugazes
E encandeia a aurora do meu anoitecer
Sempre,
Sempre sem cessar.

Não sei que segredo esconde a tua boca
Pois nem consigo decifrar-lhe o gosto
Mas vicia...
Cativa...
Prende...

Não sei que enigma nasce na tua voz
Tão doce, sensual, tão limpa…
Quero tê-la uma e outra vez

És capricho, tentação doentia
Tão difícil é amar-te e não te ter
Como ter-te e não te amar

És ânsia, loucura, perdição
Um doce amargo, nu e cru
Que não se deixa de saciar

Quero-te como se quer o raio de Sol
Permanente,
Brilhante,
Inacessível

Desejo-te como se deseja a Lua
Musa de prata perdida na noite

Tenho-te como se tem o Vento
Brisa suave,
Furacão,
Tempestade

Sôfrega, espero por ti
E num minuto me alcanças,
Ou num segundo te evades

E depois nada mais existe,
Nada mais me resta

Apenas a memória do cheiro
A figura,
O vulto
A força do olhar
O calor do abraço…


Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário