domingo, 26 de maio de 2013

EM SONHOS




Oh como escrevo
Todo o sentimento que sinto,
Deixando meu pensamento voar,
Quando para ti olho

Mas se vejo tua boca
Sinto-me beijada, desnudada

E se adormeço
São de tal forma sonhos meus,
Que nem ouso falar,
Pois eu mesma estremeço

Tua voz ao ouvido sussurra,
Palavras com sabor a mar,
Estreitando no calor do abraço
Um brinde único, para amar

E em nossos corpos se abrigam,
Tais fragrâncias,
Como dos amantes que amam
Desde que anoitece
Até a manhã raiar,
Perdidos numa praia,
Ainda por inventar…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM