quinta-feira, 9 de maio de 2013

DEIXA-ME SER




Deixa-me ser o teu sol
A tua alegria, teu sorriso,
Aquela que te beija levemente
E que dizes, baixinho: Não pares

Deixa-me ser o que nunca fui
Em teu porto seguro
Na solidão das noites,
Entre certezas e dúvidas

Deixa-me ser a tua alma,
Num prazer desejado
Das fragrâncias murmuradas
D’um amor presente

Deixa-me ser,
Apenas nós…

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO