segunda-feira, 20 de maio de 2013

TEMPO SEM TEMPO




Horas do tempo que passa
De um tempo nunca perdido,
Num relógio sem tempo,
Mesmo que presente
Mas sempre ausente

Horas,
Minutos,
Segundos,
Sem tempo que conte
As tristezas sofridas,
Lágrimas caladas,
Soluços abafados

Que o tempo volte atrás
Ou se esqueça que o tempo existe
Nas nuvens do pensamento
Dum presente transformado
Para um futuro desejado

Oh tempo doado na brisa
Que passa suave em forma de caricias
E de braços abertos eu aguardo
Para um abraço teu….

Fátima Porto
Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

É NA PENUMBRA