segunda-feira, 29 de agosto de 2011

VIAJO DESPIDA DE MIM



Despida
De mim própria
Toco no reflexo
Por onde divago
Para outra extensão
Acaso,
Outro cosmos
De meu próprio devaneio

Vou fugindo
Subtilmente
Entre estrelas
Constelações
Almejava ser uma delas
Para meu fulgor
Refulgir

Mas o devaneio
Expira
Guiando ao planeta real

Olho ao espelho
Livre de mim
Num puro desvario ….

VOANDO NO DEVANEIO



Vem fugir
Meu devaneio
Conduzir em mim
Dissimular teu sorrir
Querer adorando
Vem esquecer

Dá-me o lado
Quero parecer
Pele amena
Teu contacto
Num tremor doce
No abalo
Da fantasia

Solta-te
Espontaneamente
Ao anseio
Do amor
Para bem próximos
Fugirmos no devaneio

domingo, 28 de agosto de 2011

PERFEIÇÃO



Queria ser exemplar
Dar todo o meu abraço
Um regaço tua cama
Meu peito o encosto

Apenas solicitas
Mulher correcta
Só em fantasia
Assim deparas

Todos contemos falhas
Mas pretendemos
Afeição
Autêntica
E integral

Nem no afecto
Há primor
Ainda bem que assim é
Desde que não subsista logro
Então é
Perfeição ….

SIGO-TE



Pela penumbra
Há um rasto de mim
Solidão
Ardor
Na calada da noite
Um brado que não se alarga
Sufocado



Espio teus passos
Inocente
Mélico espírito
Do meu durar

Não quero que calcules
Minha figura
Deambularei
À tua volta
Apenas para te ver

Por isso
Sigo-te ….

LETRAS E PALAVRAS DO CORPO HUMANO DESTRONADO



Por cada sentença dita
Forçada
Arrogante
Fica sem amparo possível

De sua tribuna
Impondo leis
Mascara-se
Nas ervas nocivas
Para incursão desleal

Cospe malícia
Dissimulando ser quem não é
Até um dia….

Tomba de seu pedestal
Engole sua própria malvadez
Ressequindo à espera
D’abutres que o idolatravam

Ossadas espalhadas
São restos
De ser destronado…!

PERFIL EM TI



Sem fingimento
Alma aberta
Coração sem chagas
Em dádiva
Constante

Quero teu semblante
Teu observar
Em minh’alma
Descuidada
De névoas
Mágoas

Entrega-te por completo
Num assistir
Doce e límpido

Tu assim almejas
Com teu perfil
Sem dissimulações …..!

sábado, 27 de agosto de 2011

SOLTAM-SE LÁGRIMAS



Rola uma lágrima
Teimosa
Com saudades de ti…

Na noite
Sozinha no meu quarto
Imagino-te
Perto de mim
Abraçando
Querendo

Baixinho
As lágrimas soltam-se
Uma a uma
Molhando meu peito
Minha alma de dor

Lágrimas de saudade….

O FUMO DE CIGARRO



Alienação
Insânia
Procura de fugir da existência
Numa ausência
Para lá do prazo

Olhar despojado
Vendo tudo
Mesmo o não existente

Cabelos despenteados
Desmazelados
A tapar o rosto
De uma timidez
Retida, talvez

O fumo do cigarro
Aquieta fantasia
Em chão frio ….

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

VIAGEM NA FANTASIA



Tranquilidade
Quietude
Meu espírito
Absorve-se
De olhos cerrados
Errando
Na minha fantasia

Desejo ternuras tuas
Beijos com gosto a mel
Abarcando meu físico
Lentamente

Mãos que vagam
Trilhos ocultos
Revelados

Boca de lábios suculentos
Que murmura
Palavras quentes e melosas
Beija minha nuca
Viajo

Viajo na minha fantasia …..

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

MARCAS DO PASSADO



Por entre rendas
Ornadas no tempo
Em ilusões extintas
Fixas em molas
De roupas já sem uso
Onde os ponteiros
Dos relógios do tempo
Já estacaram!

Fotografias avelhentadas
Descoradas,
Só acarretam à lembrança
Arquivos de trajes sombrios
Aparências duras
Sem sorrisos de crianças

Sinal d’um passado
Não muito remoto
Mas eternamente presente…!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

PENSO ....



Na noite
Que velozmente acabou
Em que nossos corpos
Nus e juntos
Se colaram
Com meiguices e beijos

Nas tuas mãos
Leves, deleitosas
Que meu corpo erraram
Fazendo-me pulsar
Encrespar a cada contacto

Nossas coxas que se aliaram
No enredar d’um amor
Que expandiu-se em enlevo
Enquanto nossas bocas
Cruzavam beijos desejosos

Acendo um cigarro e penso …
Penso na noite que passou …!

O CHORO DA AVE



Soltei o passarinho
Que na gaiola cantava
Trinados tristes, amargurados
Parecia que até chorava

Era grande a melancolia
Em todo o seu cantar
Como as suas belas penas
De todo um grande penar

Abri a porta, deixei voar
Cantou alegre o passarinho
Não nasceu para estar preso
Que tristeza, coitadinho!

Todos os dias vem cantar
Ao beiral da minha janela
Ave esperta e feliz
Quer que eu cante com ela ….!

EM CORPO NU



Sinto-me gélida
Não vens

Nosso leito
Mortalha de seda
Enrugadas p’la agonia
De tua falta

Mais uma noite
Sem teu afecto
Que me faz durar

Abraço
Mas meus braços
Não vêem
Nem sinto o teu ardor

Lágrima teimosa
Rola na face
Caindo em meu regaço
Cheio de nada
Em corpo nu ….!

terça-feira, 23 de agosto de 2011

TUAS MÃOS



Mãos com ternura
Afagam
Mãos que mansamente
Vagam trilhos ocultos
Mãos suaves
Que deleitam meu sentir
Mãos cálidas
Que deliciam
Mãos tacteiam
Sabores
Mãos que incensam
Bálsamos
Mãos que conduzem
Satisfação
Mãos que magnetizam
Força
Mãos que atenuam
E dão Paz …. !

SEDUZ-ME



Em meu conceber
Tua paixão
Anseia
Corpo predilecto
Lábios húmidos
Braços quentes
Envolvendo-me

Olho-te
Querendo dizer não
Mas tuas ternuras
Beijos
Tentação
Deixa-me demente

Entrego-me
Docemente
Por completo
A ti …

MEU CASTELO



Construi meu castelo
Na palma da mão
Eu era a rainha
Rei não tinha, não

Esqueci-me qu’era d’areia
Veio vento e derrubou
Chorei lágrimas amargas
Foi vida que levou

Hoje sonho
Com o meu castelo
Que hei-de um dia ter
Ventos transformam-se em brisas
Pr’a ele se poder suster

Vai ser dura caminhada
Não paro de lutar
Quero meu castelo de volta
E deixar de sonhar

OMBREIRA SEM PORTAS



Vim esperar-te
Ao por do sol
Na choupana por nós eleita
Sem portas
Sem janelas

Vem para nosso conforto
Sem que ninguém saiba
Desatar nossa ânsia
Viver nossa quimera

Com o chegar das trevas
Nossa luz brilhará
De tão intenso amor
Que até a Lua terá ciúmes
De tanto esplendor

Vem, amor
Espero na ombreira ….

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

SEDUZO-TE



Vem até mim
Mansinho
Sentir doce
Leve tremores
Mãos em carícias
Em meu corpo
Errando

Oh amor
Beija-me
Lábios
De seda e carmim
Quero só para mim

Despe-me
Com destreza
Mansamente
Pouco que ainda me cobre

Olho-te sem falar
Teu anseio….

QUATRO PAREDES


Colhe
Em teus braços
Tudo de mim

Corpos desnudados
Unos
Colados
Odores saboreados
Olhares calados
Pedindo mais

Cama e lençóis
Cúmplices
D’um desejo
Louco
Incontido
Sublime
Gozado lentamente

Quatro paredes
E nós….!

domingo, 21 de agosto de 2011

ESTRADA DA VIDA



Entre vales, serranias
Desbravo onde estreito
Com próprio alento
Compondo minha vereda

Pés descalços
Alma sofredora
Olho de fronte
Vou seguindo

Carga dura e penosa
Levo em frente
Meu intuito
Traçando meu caminho….

PORTA ABERTA



Agora
Vou deixar a porta aberta
Para invadires

Não haverá soluções
Nem trinques
Porque te pretendo
Comigo

Invade subtilmente
Pisoou … não faças rumor
Posso já estar devaneando
Com tuas meiguices

Uma porta aberta
Para o amor
Incessantemente almejado….!

PRANTO INCONTIDO



Acordo
Sem vestígio de ti

Rolam pelo rosto
Prantos
Com paladar amargo

Amasso os lençóis
Que envolveram
Nossa afeição
Paixão
Agora estão vazios

Sinto-me devoluta
Esvaziada
Dispersa
Num universo
Que não era só este

Pranto incontido
Embebe meu corpo desnudado …. !

LUA MINHA



Quero para mim
Lua mágica
D’encantar
Luz que transpareces
Meus sentimentos

Quero sentir-te
Como fosses minha
Tesouro descoberto
Por namorados

Namorar com tua luz
Tem sabor especial
Lua dos meus encantos
Bem próxima
Sinto os teus afagos…

sábado, 20 de agosto de 2011

VEM PARA MIM



Há um sentir
Bem perto de mim
Te querer
Latejando

Não importa
Bocas mal dizentes
Ou mochos taciturnos
Quero-te
Para mim
Num só

Nossos corpos
Embaraçam
Encostam
Ondulam olhares
Saboreiam odores

Vem para mim
Homem meu… !

OBSTRUÇÃO



Obstruo meus olhos
À devastação
Da chama
Que aloja em mim

Não quero antever
Sofrer
Esta desdita que me desgasta

Agitação
Remoinha em mim
Como ave nefasta
Incitando
Esta mágoa

Quedo cega
Para não mais comportar
Este tormento….!

BRANDAMENTE



Beija-me
Meigamente
Segundo fosse o acabo d’alvura
Com afago
Meiguice

Nossas bocas se fixam
Línguas tacteiam
Um bailado
Sôfrego
Calmo

Olhos nos olhos
Sem proferir
Diremos mais de mil promessas
Tenuemente
E mélico ….!

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

NAUGRAGEI II



Soltando as amarras
Indo à deriva
Naufraguei nas iras ofuscas
Que povoam em mim

Esventrei -me
Dissipei meu corpo
Implorei aos ventos
Minha dor pungida

Quero amputar
Esta melancolia
Desgosto
Dá-las às tempestades
Resistindo ao naufrágio…!

PEDRAS


Pedras que piso
Calco
Na calçada do caminho!

Pedras que ferem
Magoam
Estilhaçam em minh’alma!

Pedras que atiram
Com raiva
Ódio
Por vingança, talvez!

Pedras que matam
Impunes
Por mãos insanas

Pedras
Outrora de um castelo
Destruído
Feito em pó!

Pedras
Pedras…!

ANJO



Anjo meu
Aqui me tens
Morro
D’ansiedade
De teu querer
Elevam-me contigo
Ao mais alto desejo
Mais forte
Profundo

Possui-me
Com insensatez
Desnudando
A alma sequiosa!

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

ANJO OU DIABO


Quero soltar
Fúria do desespero
Que habita em mim
Como diabo
De rédeas soltas
Em noites de vendavais!

Quero sentir
A ternura, paz
Como anjo
Leve e calmo
Suavizando minha dor!

Solto um grito
Agonizante
Seco
Entrelaçado
Entre anjo e diabo…!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

EVAPORAÇÃO



Meu corpo ferve
Sentimentos tristes
Que torturam
Avassalam a alma
Em sobressaltos
Contidos
Quão duros
Esquecidos!

Corpo que te torces
De chagas profundas
Que queimam
Dilaceram!

De rastos
Misturando ao vento
Evapora-se dor…!

terça-feira, 16 de agosto de 2011

ELEVAÇÃO DE MIM



Elevo meu corpo
Num sentimento
De querer mais alto
Prostrada de tudo
Sem nada
Vazio!

Sombras medonhas
Envolvem
Rodopiam em ventos
Em turbilhão
Para lá da existência
Do corpo inerte!

Minh’alma
Elevou-se de mim…!

SINTO EM TI



Pulsa meu coração
Em todo o ser
Ânsia desmedida
Por querer!

Desliza no corpo
Odores
De sabor desejado
Num fogo
Ardente
Com suores de tesão!

Sentimento
Que sinto em ti…!

DESEJO D'OLHAR


Quero assim
Sedutora
Menina mulher
Provocando desejos
Incontidos
Mistérios!

Coração acelerado
Respiração ofegante
Corpo que vibra
Desejo n’olhar…!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

NA DANÇA



Segura bem a cintura
E cola nossos peitos
Corações em compasso
Olhares n’alma
Num desnudar de passo largo!

Um beijo
De sentimento
Sem palavras
Consentido!

Música vibra
De rodar na dança…!

PERDIDA



Procuro o de mim
Se esvaiu
Em alma ferida
Qual pássaro
Que tomba e não voa!

Caminho duro
Sem forças
Caio!

Por entre a névoa
Respiro
Num último fôlego..

NÃO É SUBMISSÃO !



É carinho
Ternura
Amor
Entrega !

Sentimentos puros
Que os humanos se esquecem…!

SENTIMENTOS FALSOS



Não a carícias falsas
Ocas
Sem sentido
Mãos não têm viver
Gélidas
Um olhar
Esquecido no espaço vago
Sem palavras!

Prostração de ter
Sem haver
Apenas ilusão..!

domingo, 14 de agosto de 2011

JÓIAS



Poder
Riqueza
Corrói a alma
Destruição
Esmagam sentimentos
Compram destinos
Vidas
Tristezas
Trazem ambição
Luxúria
Raiva
Ódio !

NOITE SEM DORMIR



Vim para minha varanda
Em noite de luar
Queria-te comigo
Só de pensar
Meu pensamento voa
Minh’alma grita
Sinto-me só e triste
Com todo este penar
Ventos e tempestades
Dentro de meu coração
Porque tudo isto
Queria um mar de calmaria
Com brisa suave
Tocando no meu rosto
Como se fossem carícias tuas ….

MEU PAI ...



Tua presença há muito que se foi
O teu colo
Os teus beijos
O teu carinho
O teu amor
Mas em nosso coração não estás ausente
Sinto mesmo teu abraço quente
E o teu olhar sem palavras
Tua estrela no céu brilha
Velando por nós
Vela acesa
Que vento algum apaga
Flor de perfume suave
Que não murcha
Colo que descansei muitas vezes
Mas foi no meu onde descansaste para sempre….
Um beijo com lágrimas de saudade ….

A TODOS OS PAIS!!!



Que de um sentimento forte
E uma união
Com carinho e amor
Floresceu e deu frutos
Que nos bons e maus momentos
Estiveram juntos
Que de um simples olhar
Vale mais que mil palavras
Que juntos e unidos
Tentam compreender a juventude de hoje
Difícil, exigente
Numa sociedade cada vez mais perversa
O “papel” de todos os PAIS é árduo
Mas fazem-no com felicidade
Porque esses frutos
São carne da sua carne
Sangue do seu sangue
E assim terão um fim recompensado !!!
OBRIGADA A TODOS OS PAIS !!!!

AVES D'INVERNO



Neva frio
Nas palavras do meu livro
De páginas abertas ao vento
Abrigo quente
Para aves sem penas do meu penar
Triste sina a delas
Querem-se agasalhar
Numas palavras d’angústia e dor
D’um livro deitado ao chão
Soltam-se folhas
Esvoaçam ao vento
E as aves procuram abrigo
Num livro deitado ao frio do tempo …

sábado, 13 de agosto de 2011

PENAR MEU



Tristeza minha
Dor que me invade
Como um vendaval interior
Como dói
Penas de minh’alma
Torturam-me em sofrimento
Nesta solidão que corrói
Todo o meu pensamento
Ventos levem p’ra bem longe
Toda esta sensação de dor
Quero gritar e não posso
Chorar
Já nem lágrimas tenho …

PENSANDO À JANELA



Meu pensamento voa
A olhar p’la janela
Sonho
Chego mesmo a ir p’ra outro mundo
Como gostava que fosses comigo
Lá tudo é lindo
Não há dor nem tristezas
O mundo que eu criei
Vou p’ra lá muitas vezes
É só de imaginação
Mas é meu
Muito meu
Nesse mundo há Castelos
Reis e Rainhas
Rodeados de mil fadas
Onde os jardins são Éden
Do tempo de Adão e Eva
Lá as histórias são de amor profundo
Como D.Pedro e D.Inês
Ou mesmo como Romeu e Julieta
Onde só mesmo a morte
Os pode separar
Regresso dos meus pensamentos
Ao meu mundo real
Como seria bom amar
Sem ter que imaginar …

CORPO DE MULHER



Prostrado de ansiedade
Como terra árida
Seca
Amarga
Tu tens vida
Queres amor
Não apenas um simples uso
Dás tua vida
Fecundando
Maior riqueza p’ra ti
Transformando teu amor
Em frutos
Da tua árvore da vida …

SUSPENSÃO D'AMOR



Apenas de mãos dadas
Subindo pelo espaço etéreo
Em chamas
Que não queimam
Mas que trazem novo alento à alma
Onde se busca a pureza
A limpidez
A perfeição
Corpos dissimulam tanto amor
Em comunhão
Até à sua elevação ….

Á ESPERA


A espera tem sido longa
quase que raia um novo dia
e eu triste
abandonada e só
em cima d'um penhasco
Tive a lua como companhia
em toda a longa espera
está a dizer adeus
e eu continuo só
Rola um lágrima
de saudade
bem funda dentro do peito
quero gritar teu nome
nem a minha voz eu sinto
Porque tanta espera ....

DESEJO MEU


Vem meu amor
estou pronta
para te receber
Quero-te
desejo-te
é tudo o que mais anseio
Sentir tua doce melodia
de sussurros aos meus ouvidos
tuas mãos em meu corpo
em suaves carícias
Fechando os olhos
sinto tua presença
até mesmo os teus beijos
Aqui estou eu
para ti
Não demores
oh que saudades ...

POSSUIR


Nossos corpos se envolvem
se contorcem
se enleiam d'amor
Línguas que bailam
beijos sofregos e doces
d'eterna sedução
Forte e meigo
é o desejo
de te ter em mim
doce enlevo
que te anseio cada vez mais
Tudo é tão sublime
que nossos corpos brilham
de cheiros saboreados
em perfeita comunhão

AO TELEFONE TUA VOZ, NOSSO DESEJO