domingo, 25 de novembro de 2012

OLHAR MEU





Desvio meu olhar
Para que se calem no silêncio
Pois nada quer mostrar

Olhar espelho da alma
Que não mede palavras
E mesmo em penumbra
De mansinho
Não se deixa encobrir

Visto meus olhos em pálpebras de luz
Quando apareces
Mas dispo-os e verás
O quanto eles dizem
Calados

Fechei-os num minuto
Que parecem uma eternidade
Para não leres
Quão minha alma fala…

Fátima Porto
ATENÇÃO: Texto registado e protegido pelo IGAC

Sem comentários:

Enviar um comentário

ESQUECER-ME DO TEMPO