terça-feira, 4 de outubro de 2011

ENTREGA


Escorrem
Areias por entre os dedos
E algas tocam
Mansamente
Pois não planeiam acordar
Do sonho envolvido

Deixo corpo
Ao sabor das águas
Suave prazer
Me invade

Ah quisera eu
Tuas mãos
Em meu corpo
Percorrerem
Loucamente suaves
Por fascínio
Do desejo

Espraio-me
Em consolo
Traçando tua presença
Entregando-me
À ausência do vazio.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

Sem comentários:

Enviar um comentário

SENSATEZ?