terça-feira, 11 de outubro de 2011

COR DE FOGO EM MIM


Desnudo-me
Lentamente
Como botão de rosa
Escarlate
Cor de fogo
Que arde em mim
Na minha alma
Do desejo
Consumido
De tua presença
Em afagos doces

Pelo meu corpo
Vou espalhando
Pétalas perfumadas
Que inebriam
O anseio do teu querer

Vem,
Degustar todo este ardor
Na mansidão deste desejo.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

Sem comentários:

Enviar um comentário

É NA PENUMBRA