segunda-feira, 3 de outubro de 2011

VOAR


Voem
Pombas brancas
Em brisas suaves
Soltando minha alma
Mágoas trancadas

Voem
Para bem longe
Desta amargura
Gritando ao vento
O desalento
Por mim chorado

Voem
Levando de mim
Lágrimas tristes
Vazias
Abrindo eco
Do pranto meu


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - BRASIL

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM