segunda-feira, 10 de outubro de 2011

VOU COM O VENTO


De mansinho
Vou por entre o vento
Para não acordar ninguém
Nem a minha alma
Pois adormeceu
De tanto sofrer

Vento que leva
Recados meus
Lamentos sofridos
Para bem longe

Sigo com eles
Na vã procura
Do meu sentir
Perdidos outrora
Amargurados

Desejo querer
Louca paixão
Pois em sonhos tive
Como aviso


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

Sem comentários:

Enviar um comentário

RENDER-ME AO CASTIGO