sábado, 22 de outubro de 2011

MELODIA MÁGICA


Enlaçados
No enlevo do instante
Seduzidos
A música continuava
Quando o baile
Já tinha acabado

Em passos lentos
Nossa melodia mágica
Inebriava a chuva
Como beijos serenos
Que dávamos

Os corpos
Aqueciam
O frio da roupa molhada
No prazer do tempo
Sem horas
Nem minutos
Do tempo passar


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

SILÊNCIO DE OLHARES


Olha
Vê minha alma
Se consegues ir fundo
Entrar no seu âmago
Decifrar
Entender
Falar sem palavras
Tudo o que diz

Vejo-te
Num olhar mudo
Tímido
Como as ondas do mar
Chegando à praia
Com desejo
De ficar

Olhares
Que se cruzam
Num ensejo
Delicado
De corações fortes
Acelerados
Esquecendo o tempo
No instante
Da distância.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

SÓTÃO DA VIDA


Entra luz
Pela clarabóia
Do sótão
Onde fechei
Tranquei
Minha alma ferida
Magoada
Destroçada

Tempo passou
Teias escorrem
Onde aranhas tecem
Armadilhas
Que sufocam
Abafam
Estrangulam
Como a vida

Fazer feridas
Clamar em silêncio
De choro seco
Engolido
Sem ser visto
Na penumbra
Da existência

Fecha-te para sempre
Sem luz
E sem chaves


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

MOMENTO


Prova
Saboreia
Sente calor
Vibrando
Ondulando no corpo
Fascinado teu ser
Em deslizar de prazer
No toque dos lábios
Suavemente
Como carícias
De mãos percorrendo
Corpo inteiro
Degustando o deleite
No momento tido
Por mim oferecido
Em doação
Na taça de vinho



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 18 de outubro de 2011

FOGO/GRITO


Meu corpo
Uma fogueira
Na penumbra da noite
Que incendeia
Destroça
Lentamente

Na alma
Queimo em chamas
Labaredas acesas
Que flamejam
Toda a crueldade

Dou gritos ateados
Aos ventos
Matizando ao meu redor
Estrelas cadentes
Com mais fulgor
Mais esplendor

Consuma todo este fogo
Corpo e alma
Despido de angústias.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé -Brasil

LIVRO/EMOÇÕES


Livro de tristezas
Emoções
Escrito ao rolar de lágrimas
Incontidas
Com letras de sangue
Uma alma ferida
De angústia
Envelhecida
Fechada, trancada

Risquei
Apaguei
Escrevi
Instantes alienados
Da minha existência

Ah que vontade
Suas páginas rasgar
Para sempre esquecer

Mas o odor da rosa
Se transforma em bálsamo
Na alma sofrida.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé – Brasil

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

PENA ALVA


Voga pena
De minhas penas
Em calmas águas
Transparentes

Solidão
De minha alma
Brotam penas
Que vagam
Distantes
De meu penar

Pena alva
Como eu
Na tua leveza
Pousa
Na água
De meu desejo

Flutua
Segue teu destino
Pela brisa que te toca
Deixando
Minha alma só.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

TULE


Tule que cobre
Contorna meu corpo
Desliza suave
No chão cai

Minha alma
Desnuda
Sente frio
De ti

Perdida
Em sonhos
Vagueio
Na multidão
Do meu quarto
Não te encontro

Encontro-me só
Sem sonhos
E o tule
Caído no chão


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

ÁFRICA


Teus filhos
Espalhados
Ao teu redor
Proteges
Amparas
De olhar atento

Outros tivestes
Forçados
Partiram
Para outras paragens

Hoje choram
Com saudade
Lágrimas secas
Amarguradas
Ditadas pela tristeza

Aperto no peito
Solta um grito
Abafado
Por ti
Terra deixada.

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 16 de outubro de 2011

AO PÔR-DO-SOL


Vejo-te
Raios quentes
Do sol
À tardinha
Voou na imaginação
De tanta saudade
Que dói

Queria fechar os olhos
Imaginar teu calor
Numa praia
Ao pôr-do-sol
Teus raios envolvendo
Como fosse um abraço

Ah tristeza minha
Angústia de minha alma
Era eu que me abraçava

Sonhava estar na praia
Da terra que me viu nascer


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

MARCA NO ESPELHO


Espelho
Mostra nosso enleio
Em corpos desnudados
Tão grande essa paixão

Sinto calor em mim
Por tuas mãos
A chama arder
E tua boca
Me querer

Fecho os olhos
Viajo
Nesta doce sensação
Flamejante, mas suave
Pois estremeço
Com teu beijo

Abraça-me forte
Com brandura
Cola teus lábios aos meus
E deixa o bater
Descompassado
Acerte em nós
Todo desejo ansiado.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

SAUDADE DISTANTE


Toco para ti
Música calma
Serena
Numa praia
Como cantar de sereia

Melodia triste
De saudade
Como viajar na pauta
Para uma terra distante

Oh terra linda
Que me fazes chorar
Desta angústia
De sofrer
Por não te voltar a ver

Canto dorido
Alma sofrida
De uma nostalgia
Por ver o mar
E lembranças ter

Angola distante
Em cadência saudosa
Acordes ecoam
Misturados com lágrimas.


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

DESATA/SOLTA-ME


Desata minhas mãos
Para que te possa amar
Sentir o teu corpo
Ardor da paixão

Solta de mim
Todo o desejo
Desnuda
O meu querer
Degusta
Nosso prazer

Sussurra
Ao meu ouvido
Palavras de silêncio
Passeia
Pelo meu corpo
Dedos quentes, suaves

E para além do tempo
Exaltaremos em união
Numa chama ardente
Querida
Ansiada

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil