sexta-feira, 28 de outubro de 2011

REFLEXO SEM TI


Tacteio o espelho
Na esperança
De te encontrar
Mas apenas me vejo
Atada num desejo
Incontrolável
De um sonho
Que se vai esvanecendo
No toque frio
Da imagem

Fixo o reflexo
Como quem chama
Trazer à realidade
Devaneios ansiados
Esperados
Queridos
Mas apenas estou só
E minha mão
Pousa suave
No espelho ausente de ti


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

BANHO NA LAGOA


Venho banhar
Meu corpo
Agitado de paixão
Como fêmea em cio
À procura do seu macho

Pressinto olhares
Vigiando a lagoa
Na minha nudez
De odor sensual
No domínio de carne
Até ao momento fatal

Darei brados
Que virão do âmago
E te farão
Macho
Uivar sem pudor
Clamando o instante
De rendição
E poder


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

LOUCURA


Ventos em fúria
Cabelos em desalinho
Cravam meu peito
De espinhos e dor
Como raízes
Penetrando a terra

Esventro
Minha mente
De tanta loucura
Em ais surdos
Agonizantes

Choro
Lágrimas de sangue
Vindas de minha alma
Destruída
Ao tempo
Como morte anunciada



Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

terça-feira, 25 de outubro de 2011

BOTÃO DE ROSA


Corpo
Que em botão de rosa
Te dás
Como pétalas
Perfumadas
Suaves
Abrem-se uma a uma
Na mais bela rosa
Desejada
Por vezes
Maltratada
Deitada ao chão
Espezinhada
Mas teu aroma
Inebria a paixão
Como um bálsamo
Nesse corpo
De ti Mulher


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

ENTREGA


Concede
Às raízes
Que se estendem
E recebam o corpo
Inerte, abandonado
Em dores trazidas

Sucumbida
De tristeza atroz
Na alma consumida
Levada em ventos
Para outro lugar
Em mansidão




Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

CHAVE NA MÃO


Trancados
Na mão
Tesouros, mistérios
Com fechaduras
Enferrujadas
Velhas
Com chave
Trocada
Encravada
Para não abrir
Descobrir
Segredos mantidos
Abafados
Até esquecidos
De um coração
Morto
E uma alma
Destruída


Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil

domingo, 23 de outubro de 2011

LÁGRIMA


De sabor acre-doce
Mansamente
Rola uma lágrima
No rosto

Sensações
Misturam-se
Em lembranças
Fazendo toldar
Sentimentos abafados
Sofridos

Lágrima
Que molha o peito
Seco, amargurado
Apenas mostra
Um olhar vazio
De nada

Lágrima
Não afagas memórias
Nem riscas paixões
Apenas acalentas
Feridas da alma

Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé - Brasil