quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

ESTRELAS



Descem estrelas
Em versos que brilham
Suspensos nos braços
De ternuras a arder

Prazer e desejo
Rasgados no peito
Por uma estrela que brilha
Caída na minha mão
Em lágrimas nuas

Nem vento
E a chuva
Podem calar
As estrelas que brilham
Do afago num olhar

Sem comentários:

Enviar um comentário