terça-feira, 20 de dezembro de 2011

VERSOS DE SOLIDÃO



Roupa que arrasto
Ou roupa que me leva
Pois meus pensamentos fogem
De um corpo calado

Vou com direcção
Trémula
Ocultando medos
Mas sabendo o que faço

Deixem seguir
Meu rumo em silêncio
Sentindo minha alma
Chorar baixinho
De todo o penar
Que meu peito carrega

Em trilhos que palmilho
As feridas saram
A alma alivia
Caminho pelos restos do sol
Em versos de solidão…

Sem comentários:

Enviar um comentário

SOU ASSIM