quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

TEMPO



Horas do tempo que passa
De um tempo perdido
Num relógio sem tempo
Mesmo que presente
Sempre ausente

Horas
Minutos
Segundos
Sem tempo que conte
As tristezas sofridas
Lágrimas caladas
Soluços sangrados

Que o tempo volte atrás
Ou esqueça que o tempo existe…

2 comentários:

  1. Vinha roubar esta foto mas desisti, não por ser um ladrão sério (estes estão todos nos lugares decisórios), mas lembrei-me do meu "cuco" que deixou de espreitar, nas horas e meias e não quis avariar mais um relógio.
    Entretanto entretive-me a ouvir a música mística de "Karunesh", de quem nunca tinha "ou visto" falar.
    Portanto parto de mãos limpas...

    ResponderEliminar
  2. Gostei de muitos poemas que li.
    Também escrevi (escrevo) alguns. "Saquei-os" todos do meu blog quando 'inocentemente' acreditei nos 'homens' e 'tive' um livreco quase publicado.
    A editora em Zamora-(Espanha), depois de 8 ou 9 meses de acordos e desacordos, com tudo acertado, exigiu-me que traduzisse tudo para espanhol.
    'Hablo' um pouquito, mas 'escribir' 'nestes'.
    Conclusão.
    Tudo o que tinha desde 1960 foi reunido e passado (por mim) para computador.
    "Chateado" com a situação lancei os 'escritos' fora.
    Fiquei com o disco do portátil que dois meses depois pifou.
    Estava dentro da garantia, mas perdi tudo. Tudo. Mesmo a minha vida profissional de mais de 36 anos.
    Máquinas...
    Bem, já não me lamento mais.
    Um bom resto de semana.

    ResponderEliminar