segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

PÁREM




Não oiço meus gritos
Vagueio no espaço
Soltando penas de angústias sofridas

Como náufrago
Do barco da vida que afunda
Clamo e não escuto minha voz

Parem de aguçar lâminas afiadas
Alienem pensamentos loucos
Esventrando uma alma dilacerada

Meus brados espalham-se no tempo
Numa dor esmagada, pisada
Em eco que meus ouvidos não sentem…

1 comentário:

  1. Adorei isso!
    Estou de passagem pelo teu porto, mas sem soltar âncora..rsrs. Indo nas correntezas da poesia...rs. bjs e bom dia. Até a próxima maré!

    ResponderEliminar

SOU ASSIM