sábado, 24 de dezembro de 2011

QUERIA TER...




Queria ter
Um pinheiro mesmo sem luzes
Mas que iluminasse a dor

Queria ter
Um pôr-do-sol no meu peito
Vermelho como a cor do sangue

Queria ter
Olhos fechados e sentir
O cheiro da terra molhada

Queria ter
Um Jesus sempre Menino
Na inocência de cada criança

Queria ter
O Homem que me deu o ser
Mas só no peito … o tenho!

PASSADO

…”Através dos meus olhos
Vejo uma menina do passado
Brincando com a alegria do futuro
Esquecendo as tristezas do presente”…

DESAPARECER



Calo os meus olhos
Silencio os sentimentos
Com lágrimas de culpa
Querendo voar na escuridão…

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

DESENCANTO



Do livro encantado
Soltam folhas
Letras, palavras
Molhadas em tristezas
Rios escuros de angústias
Derramando do leito
Mágoas ressequidas
Amarelecidas pelo tempo
Mas nunca esquecidas
Trazidas das profundezas da alma
Penas cravadas no peito
Que não deixaram voar
Despedaçado
Em feridas profundas
Pois nem a escrita
É capaz de curar…

(...)

…”Mesmo deixando o pensamento voar,
As grades em que nos fechamos
Perderam as chaves….
….e a solidão, faz doer”…


ORAÇÃO



Olho para o céu
Rogo ao Senhor
Na minha oração
Em silêncio da minha alma

Ponha Sua mão
Nos caminhos árduos
Da família e amigos
Que trago no coração

Minhas lágrimas rolam
Lavando minha súplica
Falando por mim
Para Ti oh Senhor

Alivia-lhe as dores
Os tormentos também
Porque as angústias
São o meu degredo

Peço-Te perdão
Simplesmente!

(...)

…”De passos lentos, até ao cair do sol
Com Amor no Coração e Calor na Alma,
Haverá sempre quem lidere a FAMILIA”…


(...)

…”Quantas vezes se quer voar
E apenas só os pensamentos
Tem esse poder”…

IMBONDEIRO



Tantas saudades que tenho
Um desejo tão grande
Voltar a palmilhar
Os trilhos que percorri

É imenso como tu
Majestoso e imponente
Que de teu tronco serviu
Um altar para Jesus

Visto pela savana
De manhã à noitinha
Árvore soberba
Com seus frutos suspensos

Múkua traz-me lembranças
Do meu tempo de criança
Do seu sabor acre-doce
Como posso algum dia
Não mais me lembrar


(Foto no Grafanil/Luanda-1964)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

CAIS DE ABRIGO



Que gire o mundo
As tempestades se alterem
Com ventos de nuvens negras
Ou raios iluminem céus

Meu porto de abrigo
Perdeu-se no mar
Em águas mansas
Afundou-se

Todo o seu cais
Tinha tábuas podres
Carcomidas

Esventrando meu ser
Restou pouco
E naufragou…

(...)



…”Porto de abrigo deixado ao acaso
Numa praia abandonada,
Em redes perdidas no mar.”…




Fotografia de Fernanda Perdigão

FRAGÂNCIA EM SONHO



Meu sono é suave
Pensamento longe
Com aromas de flores

Calma e tranquila
Meu corpo ameno
Se deleita no repouso
Onde a alma sonha

Sonhos de quimeras
De desejos meus
Em mim sonhados
No desabrochar de flores

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

(...)

…”Soa pela brisa da manhã,
Uma melodia suave
Dum chilrear de pardais
No seu doce Amar”…

ATRAVÉS...



Uma palavra
Um coração
Um sonho
Um pensamento
Através do tempo…

Uma mão
Um abraço
Um corpo
Um desejo
Através da distância…

Uma alma
Um beijo
Um querer
Um morrer
Através dos sentidos…

ESTRELAS



Descem estrelas
Em versos que brilham
Suspensos nos braços
De ternuras a arder

Prazer e desejo
Rasgados no peito
Por uma estrela que brilha
Caída na minha mão
Em lágrimas nuas

Nem vento
E a chuva
Podem calar
As estrelas que brilham
Do afago num olhar

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

VERSOS DE SOLIDÃO



Roupa que arrasto
Ou roupa que me leva
Pois meus pensamentos fogem
De um corpo calado

Vou com direcção
Trémula
Ocultando medos
Mas sabendo o que faço

Deixem seguir
Meu rumo em silêncio
Sentindo minha alma
Chorar baixinho
De todo o penar
Que meu peito carrega

Em trilhos que palmilho
As feridas saram
A alma alivia
Caminho pelos restos do sol
Em versos de solidão…

PARA LONGE




Pássaro de encantos meus
Leva meus pensamentos
Para bem longe

Nem a beleza dos nenúfares
Me faz sorrir
Pois a tristeza
Prostrou em minha alma

Nuvens negras
Abalam o meu ser…

NUVENS

…”Ao entardecer
Com nuvens
Triste assim como eu
O sol não aquece minha alma
Nem sara feridas profundas
Que ainda doem”…

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

CONTRADIÇÕES



Dou laços
E desfaço
Na imaginação
De um corpo partido
Ausente
Perdido

Aperto
Alívio
De um grito abafado
Lamento sufocante
Num olhar quieto
Vago
Distante

PÁGINAS EM LETRAS




…”Caída em letras
Nos braços dos ramos
Páginas caíram sem luz
Onde asas não voam”…

domingo, 18 de dezembro de 2011

DESENCANTO



Desintegram-se
Como almas que se esfumam
Num tempo que foi perdido
Esquecido nas vendas
De um amanhã que nunca virá

Cálice de fogo
Que queima e cega
Perdeu o encanto
Partido no chão

Fragmentos destroem-se
Mesmo perto
Tão longe
Mas nunca vistos
Nem nunca alcançados

(...)

…”Vou plantando palavras
Com carinhos de luar
Na aridez da Vida”…


SOZINA




Vagueio na noite
Seguindo uma sombra
À procura de mim

Insensatez de quimeras
Dispersas
Perdidas
Jamais encontradas

Deambulo sozinha
No frio que pernoita
Em corpo cansado