quarta-feira, 21 de setembro de 2011

À ESPREITA


Que espreitem
Nosso amor
Beijos
E carícias
Ao sol
À chuva

Nosso mundo
De sonhos
Abraços
De calor
Na relva molhada

Que espreitem
E oiçam
Nossas vozes caladas
Em beijos pedidos
Por olhares meigos
Consentidos

Que espreitem …

(Poema editado no Jornal O REBATE de Macaé – Brasil)

Sem comentários:

Enviar um comentário

QUANDO NOSSAS BOCAS SE UNIREM