quinta-feira, 8 de setembro de 2011

NA PRAIA


Deambulo
Em praia calma
Para ver
Teu bote chegar
Minha agonia é tão imensa
Pois da areia não abalo

Quero-te próximo de mim
No enleio nossos corpos
Tristeza é tão grande
Só mata-la com teus beijos

Acode velozmente em meus braços
Desejo sentir teu ardor
Sinto o isolamento
Gelada sem teu afecto ….

Sem comentários:

Enviar um comentário

É NA PENUMBRA